IBATÉ | Juiz eleitoral julga improcedente ação contra Tonho Pernambuco

O juiz da 410ª Zona Eleitoral de Ibaté, Dr. Caio Cesar Melluso, julgou improcedente a Ação de Investigação Judicial nº 0000340-84.2016.6.26.0410, contra o vereador Antonio Inacio Barbosa (PRB), o Tonho Pernambuco, por falta de provas.

A ação foi promovida pelo ex-candidato Paulo Cesar Cardoso, popular Paulinho Paulinho, que disputou o cargo de vereador pelo PEN, nas eleições municipais do ano passado, alegando captação ilícita de votos.

De acordo com decisão de Dr. Caio, Paulinho não se desincumbiu de seu ônus, de tentar provar os fatos alegados na inicial da ação. “A inicial trouxe indícios, mídia, que não permitem a certeza da prática do ato ilícito apontado”, declarou em seu relatório.

O juiz destacou que as testemunhas ouvidas de nada serviram para a prova dos fatos. “Assim restou demonstrado que a prova produzida nos autos é insuficiente para a condenação do réu [Tonho Pernambuco]. Posto isso, desacolho o pedido inicial e julgo improcedente a presente Ação de Investigação Judicial por falta de provas para a condenação”, finalizou Dr. Caio.

A decisão cabe recurso ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).

Outro Lado

Paulinho entrou em contato com a redação do portal Região em Destake para comunicar que aguardará a publicação do acórdão para recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP). “Vou entrar com recurso e recorrer para São Paulo. Vamos ver o que vai dar. Se ele tiver certo, que fique no Poder. Se a gente perder em São Paulo, vamos recorrer também para Brasília. Enquanto puder recorrer, vou recorrer”, declarou.

1 thought on “IBATÉ | Juiz eleitoral julga improcedente ação contra Tonho Pernambuco

  1. Perfeito! Seria injusto um parlamentar do potencial do Nobre Vereador ser cassado. Até porque nos faria falta os inúmeros projetos em benefício dos cidadãos Ibateenses de sua autoria que a câmara municipal deixaria de apreciar, como também sentiríamos sua ausência na frequente presença na tribuna para discutir projetos de grande relevância. Não é possível deixar de citar seu importante papel de fiscalizador dos gastos do chefe do executivo, como observa a Constituição Federal. É isso…

Deixe uma resposta