POLÍTICA | Edna Martins discute avanços e recuos na luta pelos direitos da mulher

A Sessão Ordinária da véspera do Dia Internacional da Mulher foi um momento de inspiração e reflexão sobre direitos e igualdade na Câmara Municipal.

Um dos momentos mais assertivos coube à “sempre vereadora” Edna Martins – como definiu o presidente Jéferson Yashuda Farmacêutico (PSDB) ao anunciá-la.

A diretora regional de Assistência e Desenvolvimento Social de Araraquara, que também foi a primeira mulher presidente da Câmara Municipal, em 2007, ocupou a Tribuna Popular credenciada pelo Cedro Mulher – Centro de Defesa dos Direitos da Mulher para discutir o tema “Dia Internacional da Mulher”.

Edna relembrou os primórdios do Cedro Mulher, criado em 1994, “por um grupo de mulheres corajosas, que colocou em movimento uma pauta de lutas por saúde de qualidade, combate à violência, combate ao assédio sexual, participação política, parto humanizado e a exigência de políticas públicas para abordar os problemas enfrentados pelas mulheres que são, de fato, diferentes dos problemas enfrentados pelos homens”.

Na opinião da ex-vereadora, o passado ensinou que os avanços são possíveis, pois, hoje, nossa cidade é referência em vários serviços para mulheres, como abrigos, centros de referência e a maternidade Gota de Leite. “Porém, é o momento de nos perguntarmos: é o suficiente? Está dando certo? Aonde chegamos? De que políticas precisamos hoje?”, questionou. Como pontos para reflexão, Edna propôs algumas questões prementes para as mulheres araraquarenses, entre eles, a falta de creches para que as mães possam exercer suas profissões, ações de combate à violência, divulgação e treinamento em relação ao Protocolo de Atendimento às vítimas de violência doméstica, acesso à saúde e atenção às mulheres negras, além da promoção do trabalho feminino com igualdade de tratamento e salário e livre de assédio sexual.

“Temos uma série de instrumentos que não estão funcionando e que precisam funcionar”, declarou. “Há uma pauta importante a ser seguida, uma pauta que foi construída coletivamente. O meu apelo é para que a Câmara e os poderes públicos como um todo não deixem essa pauta morrer.” Ao finalizar sua participação na Tribuna Popular, Edna Martins convocou as mulheres a se engajarem na luta por seus direitos: “O grande recado que o século XX deixou para as mulheres é: temos de lutar juntas. Aprendamos, porque é o único modo de revertermos essa realidade de machismo e desigualdade. E precisamos de homens de bem para avançar essa pauta”.

 

Deixe uma resposta