POLÊMICA | Santa Casa acredita que infecção generalizada foi a causa da morte de gestante

Os médicos da Santa Casa de São Carlos, Daniel Bonini (Diretor Superintendente) e Flavio Guimarães (Diretor Clínico) concederam entrevista na manhã desta quinta, 23, e apontaram que a causa da morte de Djuly Endel da Silva Brandão, gestante de 26 anos, com 30  semanas de gravidez, ocorrida na noite de quarta-feira, 22, às 19h45 no hospital pode ter sido realmente uma infecção generalizada. Essa é a quarta morte de gestante registrada em 2017 no hospital, a bebê de Djuly está em estado grave, porém tem quadro estável na UTI-Neonatal.

Segundo o médico Flavio Guimarães, a paciente deu entrada no hospital às 9 horas da manhã do dia 21 com um quadro de febre e dores na região das costas, o que indicava uma possibilidade de infecção urinária que infelizmente evoluiu para uma septicemia. “A Santa Casa está investigando o caso, mas não foi exatamente a gravidez que levou a esse quadro triste, a infecção urinária infelizmente evoluiu”, ressaltou.

De acordo com o médico, assim que a gestante deu entrada no hospital foram realizados os exames para detectar e confirmar o quadro infeccioso que havia sido aventado. “Em uma hora e meia ela tomou o antibiótico, depois esse quadro se agravou, ela apresentou desconforto respiratório e foi transferida da maternidade para a UTI onde começou a ser medicada com antibióticos de largo espectro”, ponderou.

O médico explicou que a Sepse (infecção) cresceu e pode ter comprometido vários órgãos da paciente. Diante da gravidade, Djuly foi entubada e passou a ser acompanhada por um médico intensivista que é especialista nessa área, porém ela teve uma parada respiratória. “A equipe fez todos os esforços e procedimentos de reanimação, porém não foi possível salvá-la, infelizmente, todos do hospital estão muito tristes, irmanados com a família nesse momento de dor profunda”, frisou Flavio.

Parto

Diante da tragédia que se abatia com a morte de Djuly, Flavio Guimarães esclareceu que o médico especialista em cirurgia pediátrica, Walter Konig, estava acompanhando o caso e num local que não era o ideal, mas em função da extrema urgência do momento, realizou a cesariana para retirada do feto (uma menina). “Uma equipe de 20 pessoas estava acompanhando esse caso, todos se esforçaram para isso, hoje a bebê tem um quadro grave, mais estável, e o trabalho do médico Walter Konig foi de muita destreza e coragem”, avaliou.

Flavio Guimarães esclareceu que fez os procedimentos e o contato com o Serviço de Verificação de Óbito de Américo Brasiliense para que o corpo da gestante fosse encaminhado para o local com o objetivo de se identificar a causa da morte, porém ele explicou que os profissionais do SVO daquela cidade diante de todas as evidências apresentadas acreditam realmente que a causa da morte tenha sido uma infecção generalizada.

Rede

O médico Daniel Bonini informou que a Santa Casa, juntamente com a UFSCar e a Prefeitura trabalha para criar na cidade uma rede de atenção à gestante e o quadro de Djuly foi uma fatalidade. Segundo os médicos apuraram, a gestante estava trabalhando normalmente e quando chegava em sua casa se queixava de uma dorzinha lombar. “Quando ela foi internada o quadro era de febre alta, por isso foi administrado o antibiótico o mais rápido possível e depois foi administrada uma associação, mas a Santa Casa irá verificar todos os procedimentos realizados no caso, tudo passará pela comissão de ética e também de morte materna”, afirmou.

Segundo o médico, quadros de infecção urinária são mais comuns em mulheres que em homens e que isso pode ocorrer na gravidez.

O hospital voltou a destacar que está em luto em função da morte da paciente e que continuará no processo de investigação e aperfeiçoamento dos seus procedimentos.

(Do São Carlos em Rede/Renato Chimirri)

Deixe uma resposta