POLÍTICA | Lobbe Neto destaca importância da doação de órgãos no Brasil

 

O Brasil bateu níveis históricos na doação de órgãos em 2017. A alta foi de 16% no primeiro semestre desse ano, comparado ao mesmo período do ano passado. Somente no estado de São Paulo, os doadores efetivos cresceram 27% nos primeiros seis meses do ano. Mesmo com o aumento, a taxa de recusa das famílias brasileiras ainda continua alta, segundo o Ministério da Saúde, chegando a 43%.

No mês passado, o órgão lançou uma campanha intitulada “Família, quem você ama pode salvar vidas”, com o intuito de incentivar as doações. O deputado federal Lobbe Neto, do PSDB paulista, também ressaltou a importância de sensibilizar a população do valor desse ato.

“Mais uma questão é muito vital: as famílias ainda têm muito preconceito em fazer as doações dos órgãos. Por isso, assine que você poderá doar o órgão de um familiar, no caso de morte. Com isso, poderemos salvar mais vida aqui no nosso país”, disse Lobbe Neto – que também é biomédico.

O número de doações de órgãos aumentou significativamente, após o governo assinar um decreto determinando que a Força Aérea Brasileira (FAB) mantenha um avião em solo para qualquer chamado de transplante.

Lobbe aproveitou para cumprimentar a FAB por todo trabalho desenvolvido. “Quero cumprimentar uma atitude do governo federal e, principalmente, da FAB [Força Aérea Brasileira] no transplante de órgãos. Esse transporte de órgãos para fazer o transplante é muito importante e, com isso, aumentou o número de transplantados durante esse ano. Um aumento significativo em vários órgãos que eram necessários”, afirmou.

Mais de  95% dos procedimentos no Brasil são financiados pelo Sistema Único de Saúde, o que faz do SUS o maior sistema público de transplantes do mundo. Atualmente, existem mais de 26 mil pessoas aguardando por um rim no país; 11.413, esperando por córnea; 1.904, por fígado; 389, por coração; 203, por pulmão; e 64, por pâncreas. O Ministério da Saúde estima gastar R$ 966 milhões neste ano com transplante de órgãos.

Deixe uma resposta