CPI DA FOSFO | Auditora denuncia falhas em pesquisa com a pílula do câncer

 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Fosfoetanoamina ouviu hoje (14) a auditora externa Bernadete Cioffi. Ela confirmou que sofreu cerceamento de seu tramalho e falhas no protocolo de pesquisa realizada pelo Instituto de Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).

A CPI presidida pelo deputado estadual Roberto Massafera foi instalada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo com objetivo de apurar as razões que motivaram o Estado a não realizar pesquisas para a liberação da fosfoetanolamina para o tratamento contra o câncer.

Bernadete Cioffi fazia parte da auditoria externa encarregada de acompanhar os testes realizados pelo ICESP com a fosfoetanolamina. A pesquisa foi suspensa antecipadamente, em março, sob a justificativa de que a substância não tinha eficácia no tratamento do câncer.

As pesquisas previam a participação de 210 pacientes, com 10 tipos de câncer. Com a suspensão da pesquisa, entretanto, os estudos não conseguiram definir a dosagem do medicamento. Cioffi afirmou que há irregularidades que não foram corrigidas no protocolo final. “Legalmente, uma pesquisa precisa ser auditada desde o seu princípio”, disse.

Dentre as questões levantadas pela auditora, seria necessário um estudo de farmacocinética para verificar as vias e a metabolização da substância pelo organismo, acompanhando a molécula desde a sua ingestão até a excreção. “Esse estudo é essencial para estabelecer a dose exata para que o medicamento seja eficaz. O material dos pacientes foi colhido, mas o exame da farmacocinética, que é obrigatório, não foi feito”, disse Cioffi.

“O relatório da auditora Bernadete Cioffi declara a não conformidade dos procedimentos da pesquisa. Se eles não seguiram o padrão do roteiro, isso é suficiente para invalidar o estudo”, declarou o deputado Roberto Massafera. 

Convocação 

A próxima reunião da CPI da fosfoetanolamina será quarta-feira (22) para ouvir Durvaney Augusto Maria, pesquisador do Instituto Butantã que também integra a equipe de auditores externos do ICESP.

CPI também aprovou requerimentos do relator, deputado Ricardo Madalena, convocando a prestar esclarecimentos os membros do ICESP Juliana Guimarães, Maria Del Pilar Estevez Diz, Milena Perez Mak e Roberto Jun Ara, além do farmacêutico Gidel Soares e do chefe de transporte Celso Joaquim Paz, da Fundação para o Remédio Popular (Furp). O membro da PDT Pharma Sergio Perussi também será convidado em data oportuna.

Para a comissão, é importante investigar se a pesquisa clínica feita pelo Icesp seguiu o protocolo aprovado pela Comissão de Ética Médica e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). (*Colaborou Léo Martins)

Deixe uma resposta