IBATÉ | Gestões de 1993 até 2004 deixaram dívida astronômica de 41 milhões em precatórios

Não é novidade para ninguém que o prefeito José Luiz Parella (PSDB) herdou péssimas gestões municipais entre os anos de 1993 até 2004. Gestores irresponsáveis deixaram para a Municipalidade, uma carga de precatórios que, atualmente, chega à metade do Orçamento Anual do Município.

Para se ter ideia, no último mês da administração 1993 a 1996, o prefeito à época, concedeu aumento salarial que variava  em uma escala de 5 a 27%, aos funcionários públicos municipais. Seu sucessor, vencedor do pleito em 1996, ao assumir a prefeitura, retirou esses benéficos e os funcionários, dentro de suas razões, procuraram a Justiça para que seus direitos, já adquiridos, fossem válidos e essa dívida chegou a  R$ 6.100.000,00.

Além disso, o administrador que assumiu o município em 1997, realizou Concurso Público  no último ano de seu mandado, para empregar alguns de seus apaniguados políticos. Quando o mesmo deixou a administração, o gestor anterior – que retornou ao comando do município – demitiu todos esses funcionários, os quais também procuraram seus direitos na Justiça e a dívida está na casa de R$ 1.300.000,00.

Não bastassem esses casos, dívidas com fornecedores no período desses dois péssimos administradores, chegam a mais de R$ 4.000.000,00. Essas dívidas são com empresas que prestaram serviços ao município e tomaram “calote” dos gestores, empresas como a Engenharia Bandeirantes (R$ 2.600.000,00); Bombas Leão S/A (R$ 161.502,89); Gato Construtora (R$ 503.576,06); CPFL – conta de energia elétrica do Hospital Municipal (R$ 104.701,70); Interpess Comunicações (R$ 217.297,47); Cirúrgica Mafra Ltda. (R$ 164.720,86), entre outras, portanto somando se as duas situações o valor devido é de mais de 11 milhões .

Vale lembrar que eles também deixaram uma enorme dívida com o IPREI (Instituto de Previdência de Ibaté), no valor de R$ 23.000.000,00.portando quando assumiu a prefeitura em 2005  em valores atuais a divida seria de mais de 40 milhões .

Entre os anos de 2005 a 2016, os governos do prefeito Zé Parrella e seus sucessores Dr. Alessandro Rosa e Lu Spilla, pagaram mais R$ 7 milhões de precatórios.

Atualmente, a dívida existente hoje em precatórios, corresponde a quase metade da arrecadação anual do município, que começará a pagar esse parcelamento pela nova regulamentação, a partir desse mês de janeiro, cerca de R$ 210.000,00, corrigido todo mês pela  próxima década . Isso significa que, mesmo com todo esforço do prefeito Zé Parrella em investir mais na cidade, a população precisa saber que essa herança, de muitos anos atrás, ainda, tem assolado a cidade, pois todo esse dinheiro poderia estar sendo investido na melhoria da qualidade de vida da população e, no entanto, está sendo aplicado, obrigatoriamente, na quitação desses débitos.

Deixe um comentário