ARARAQUARA | CER no Jardim Imperador é entregue reformado e ampliado

Com sua obra eleita pelo Orçamento Participativo, unidade atenderá 260 alunos

 

O prefeito Edinho participou, na manhã desta sexta-feira (30), da inauguração das obras de reforma e ampliação do CER Professora Honorina Comelli Lia, no Jardim Imperador. Em virtude da pandemia de Covid-19, a cerimônia contou com público reduzido e seguiu os protocolos de segurança sanitária preconizados pelo Comitê de Contingência do Coronavírus do Município.

A obra, que é uma demanda da Região 2 do OP, teve um investimento de R$ 577.252,09, sendo R$ 506.580,85 outorga onerosa da Espaço Nobre Construtora e Incorporadora pelo empreendimento Royal Garden I e Royal Garden II Centro Empresarial e R$ 70.671,24 da Secretaria Municipal de Educação.

O local contou com remodelação da entrada dos alunos, construção de uma pequena arquibancada para apresentações culturais ao ar livre, ampliação de salas, remodelação de banheiros e lactário, adaptações para pessoas com deficiência, construção de nova biblioteca, construção de vestiários infantis, nova sala da diretoria, nova sala de reuniões para os profissionais, entre outras melhorias.

Educação para diminuir o abismo social

Edinho destacou a importância de as obras da unidade não terem parado, mesmo com todas as dificuldades ocasionadas pela pandemia da Covid-19, e valorizou a participação popular para a execução do projeto. Para ele, a retomada das aulas servirá para reduzir a discrepância educacional que foi agravada nesse período. “Penso que a pandemia e essa ausência das crianças no processo educacional está aumentando o abismo entre aqueles que têm oportunidade e aqueles que não têm oportunidade. Não existe oportunidade na vida sem educação. Então nós precisamos, com todos os cuidados e protocolos, retomar o processo educacional para que não aumentem ainda mais as desigualdades que já são estruturais em nosso país”, analisou.

Edinho afirmou que muitas vezes as pessoas criticam o Orçamento Participativo, mas reafirmou que não tem dúvidas de que esse é o melhor modelo de gestão. “Legalmente, o prefeito poderia se reunir em seu gabinete com meia dúzia de secretários e decidir os investimentos da cidade, mas essa, na minha avaliação, é uma forma arcaica, retrógrada, atrasada e autoritária de se governar. Nós escolhemos governar ouvindo a população. Quem diz para nós o que é importante é o povo de Araraquara reunido nas plenárias do Orçamento Participativo. O Orçamento Participativo é a inversão da lógica do poder”, acrescentou.

O prefeito enalteceu a função do OP no processo de concretizar a vontade popular. “Fomos eleitos em cargos públicos para representar o povo no dia a dia porque as pessoas têm suas atividades e para isso existem prefeitos e vereadores, mas ninguém foi eleito para substituir o povo. Quem tem que decidir o que é prioridade em uma cidade é a população e o Orçamento Participativo é esse instrumento”, concluiu Edinho.

Um sonho alcançado

Fabíola Pereira Gonzales, diretora do CER Professora Honorina Comelli Lia, explicou que a reforma atende uma reivindicação antiga da comunidade. “Hoje é um dia muito especial para nós, do CER Honorina Comelli Lia. Há muito tempo almejávamos essa reforma e ampliação, pois desejávamos que as crianças tivessem um ambiente educativo mais estimulante, seguro e bonito. Desejávamos também que os funcionários usufruíssem de melhores condições de trabalho. Temos uma história para cada conquista e tiramos uma lição de cada uma delas. E percebemos que quanto mais difícil for a conquista, maior será a gratidão, o prazer e a alegria que sentiremos. E hoje chegou esse dia”, comemorou.

Jederson Silva Braga, representante da empresa Nobre Construtora, revelou que essa foi a obra mais especial que atuou. “Só tenho a agradecer por fazer parte dessa obra, que é muito importante, muito nobre, por se tratar de crianças, de pessoas. Durante a obra foi muito importante ver a beleza das crianças, a satisfação das pessoas e o amor e dedicação de todos. Então eu posso dizer que, entre diversas outras obras que já trabalhei, residenciais e comerciais, essa foi a mais especial, principalmente neste momento em que passamos a analisar e rever tudo. Eu conheci pais de alunos, eu vi o tratamento das crianças, dos alunos, e só aprendi com isso. Desejo que cada pessoa saia daqui melhor, como eu estou saindo”, argumentou.

Maria Alice Rodrigues de Souza Palaçon, representante da comunidade escolar, afirmou que sua família vive no bairro há 40 anos e que estudou na unidade, onde fez questão de que seu filho também estudasse. “Esse CER tem o DNA da boa vontade, o DNA do empreendedorismo, das pessoas que lutam pela educação e cidadania. Sem esse DNA não teríamos uma comunidade tão atuante, por isso é tão importante fazermos parte da comunidade. A educação representa a união. Se não tivermos união entre nós, não conseguiremos vencer essa pandemia e termos solidariedade com a dor do outro. Sou muito grata pelo dia de hoje”, discursou.

Patrícia Ferreira, presidente do Orçamento Participativo em 2017, explicou que a plenária que elegeu a obra foi uma das que mais contaram com a participação de pais e membros da comunidade. “Aqui é a nossa primeira infância, onde aprendemos a respeitar os pais, os colegas. É lindo o que foi feito aqui, ficou muito linda essa reforma e é isso o que o Orçamento Participativo quer, a população de frente com cada problema do seu bairro. Eu não vou resolver o problema do meu bairro conversando com um vizinho, com um parente, ou criticando em qualquer parte que seja da cidade, mas sim brigando junto com a Prefeitura”, salientou. “Quando tiver Orçamento Participativo, vamos sair de casa, do conforto do lar, por duas horas ou uma hora e meia, para brigar por nossa comunidade inteira, pela cidade inteira”, acrescentou.

A secretária de Direitos Humanos e Participação Popular, Amanda Vizoná, salientou que a inauguração do CER foi desejada não só pela população, mas pela equipe de governo. “Para nós, que estamos no governo, também é uma conquista muito grande ver esse resultado, porque envolve centenas de pessoas, dezenas só dentro da Prefeitura. Passa de mão a mão o projeto, o orçamento, muitas vezes com uma contrapartida como esse caso, mas que também passa por uma equipe grande da Prefeitura. É muita gente trabalhando para que esses sonhos se tornem possíveis. E que sonho bonito é esse aqui, que realidade maravilhosa as crianças vão encontrar quando voltarem”, enalteceu.

A secretária de Saúde, Eliana Honain, que representou todos os secretários municipais, lembrou que esteve na inauguração da unidade em maio de 1987, quando já era funcionária da Saúde. “Esse CER sempre foi reconhecido como um espaço realmente diferenciado, principalmente pelo envolvimento dos pais e da comunidade como um todo, e sempre com um empenho da Secretaria de Educação. Nós somos privilegiados, somos diferenciados em Araraquara pela estrutura educacional que nós temos. Realmente em nenhum lugar vamos encontrar uma estrutura tão bela, tão organizada, e que vá dar conta tão bem de educar, porque o caminho é a educação”, analisou.

A secretária Municipal da Educação, Clélia Mara dos Santos, enfatizou o empenho da Prefeitura em promover uma educação de qualidade mesmo com as limitações financeiras causadas pela pandemia. “Esse ambiente que a gente recebe e visualiza hoje no Honorina é a expressão do que a Secretaria de Educação deseja para cada um dos nossos equipamentos, que é qualidade. Qualidade na estrutura, porque isso é parte integrante da proposta pedagógica e da ação pedagógica, qualidade na oferta, com o maior número possível de vagas, que é outro objetivo da educação, mas sobretudo qualidade da oferta de ser humano com dedicação a outro ser humano. É dessa forma que construímos o espaço de uma educação melhor, de uma educação que entrelaça do começo ao fim, o cuidado com o processo pedagógico de educar, de formar cidadãos inteiros, de formar cidadãos que olhem para o outro como olham para si mesmos”, explicou.

O Deputado Federal Arlindo Chinaglia (PT-SP) ressaltou a importância da participação popular para as conquistas da sociedade. “A primeira coisa que as crianças e alunos vão aprender aqui é a participação popular, dado que isso é uma concepção de sociedade. Falar que o poder emana do povo é verdade, entretanto é melhor o povo exercer o poder de forma mais direta. Em um país tão desigual quanto o nosso, podemos imaginar quantos ‘brasis’ existem, mas tem pelo menos dois. Temos um com uma minoria que tem muita riqueza e poder, e um com uma imensa maioria que muitas vezes não consegue vislumbrar que uma conquista importante como essa é direito e não favor. Mas quem trabalha com Orçamento Participativo inverte essa equação, parte exatamente da concepção de que por melhor que sejam os representantes em qualquer nível, eles não substituem o povo”, explicou.

O vereador Paulo Landim (PT), que representou a Câmara Municipal de Araraquara, destacou a importância de cada pessoa que lutou pela reforma e valorizou a participação popular. “Ficou uma escola de primeiro mundo. Nesse governo, o Orçamento Participativo é lei. É preciso muita gestão, pois é como o planejamento da nossa casa. Para se ter uma ideia, esse governo tem R$ 28 milhões de contrapartidas para investir no Orçamento Participativo, por isso a importância da boa gestão exercida pelo prefeito Edinho”, salientou.

A cerimônia contou ainda com uma homenagem feita pelos alunos André Rodrigues Palaçon, Sara Lia Azem de Paula Bueno e Lorena Santos Lourenço ao prefeito Edinho e à secretária de Educação, Clélia Mara dos Santos. Também estiveram presentes a secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, Sálua Kairuz Poleto; a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Cidinha Silva; o secretário municipal de Obras e Serviços Públicos, Sérgio José Pelícolla; o coordenador executivo de Habitação, Alcindo Sabino; a coordenadora executiva de Educação Básica, Ana Beatriz Lia Vaccari; a presidente da Fundesport, Roseli Gustavo; a vereadora Thainara Faria (PT); o prefeito de Queiroz (SP), Walter Rodrigo da Silva (PSD).

A homenageada

Honorina Comelli Lia, a Dona Nina, nasceu em 2 de março de 1914, em Ibitinga. Em 1936, casou-se com Nicolino Lia, com quem teve 5 filhos: Raphael Carlos Comelli Lia, Maria Ignêz Lia Neiva, Marisa Lia Mondelli, Nicolino Lia Júnior e Marco Antônio Lia. Foi professora e diretora do Grupo Escolar Carlos Baptista Magalhães. Tinha um grupo de amigas que formavam o “Clube das Mãezinhas”, que coletava enxovais para doar às mães solteiras e mães pobres – em uma época em que ser mãe solteira não era aceito pela sociedade. Dona Nina faleceu em 20 de junho de 1986.