SAÚDE | Setembro ressalta doação de órgãos e tecidos, como medula óssea

Paciente transplantado do Hospital Amaral Carvalho está realizando desafio de percorrer 800 quilômetros a pé e de bicicleta e tem chegada prevista a Jaú no Dia Mundial do Doador de Medula Óssea

 

Neste mês é comemorada a campanha Setembro Verde, voltada para a conscientização e orientação à população sobre a doação de órgãos e tecidos. A iniciativa abrange duas datas importantes: dia 18, quando é celebrado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, e dia 27, Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos.

No Brasil, são mais de 40 mil pessoas na fila de espera por um transplante, segundo dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). O País realiza procedimentos de rim, córnea, coração, fígado, pâncreas, pulmão e medula óssea.

Em 1996, o Hospital Amaral Carvalho (HAC) criou o Centro de Transplante de Medula Óssea (TMO). Ao longo desses 25 anos, já foram realizados mais de 3,7 mil procedimentos na unidade, considerada atualmente o maior centro transplantador de medula do País. O procedimento é indicado para doenças e casos específicos e, muitas vezes, é a única chance de cura do paciente.

Foi o que aconteceu com Carlos Rezende, o professor Carlão como é conhecido, diagnosticado com Aplasia Medular Severa em 2015 e veio de Campo Grande (MS) para o transplante. Após o procedimento, o paciente fundou o Instituto Sangue bom, entidade voltada para promover causas relacionadas à doação de sangue e medula óssea.

Nesse ano, o professor Carlão resolveu inovar e criou o Desafio 800, um duatlo (bicicleta e corrida) saindo de Campo Grande e com chegada à Jaú prevista para o próximo sábado, dia 18.  “A chegada é para marcar o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que faz parte do Setembro Verde. Ao longo do caminho, conversamos com prefeitos e lideranças das cidades para alertar sobre a importância da doação solidária de medula óssea, órgãos e sangue. O projeto é para chamar a atenção da população para essa causa”, comenta.

O esportista finaliza o percurso de 800 quilômetros correndo acompanhado de sua namorada e seu doador de medula, que virá de Curitiba. “A iniciativa ainda destaca o esporte como uma maneira de reinserir o transplantado à vida normal”, diz. A chegada está prevista para às 10h30 no HAC.

Outras ações

Setembro ainda é o mês escolhido para alertar sobre a importância do diagnóstico precoce e as formas de prevenção do câncer de intestino (também chamado de cólon e reto). A campanha nacional também recebe a cor verde e é promovida pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP).

Estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca) apontam que a doença é a terceira mais frequente na população brasileira, com mais de 40 mil novos casos da doença no País. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed), a incidência está relacionada aos hábitos de vida dos pacientes. São considerados fatores de risco o alcoolismo, tabagismo, sedentarismo, obesidade, alto consumo de carnes vermelhas e processadas e baixa ingestão de frutas, legumes e verduras.

Pessoas acima dos 50 anos e com histórico da doença na família também fazem parte do grupo de risco para desenvolvimento do tumor. Os médicos alertam que até mesmo aqueles com rotina saudável precisam realizar o rastreamento, feito por meio dos exames de colonoscopia e de fezes, conforme a orientação médica para investigação a partir dos 45 anos.