CRÔNICA | Seu Valdenir, não desista do ENEM! Tente de novo!

A maior lição do domingo de ENEM em São Carlos veio de uma pessoa que não prestou o Exame Nacional do Ensino Médio, o pedreiro de 49 anos,  Valdenir Pereira. Ele parou com o transporte coletivo a 2 km do local onde iria fazer a prova, foi a pé, mas quando chegou descobriu que não poderia realizar o exame, porque tinha se atrasado e o ENEM é impiedoso com atrasos.

Na entrevista que concedeu ao Jornal A Folha, o pedreiro Valdenir parecia conformado, seu sonho é ser advogado ou então fazer filosofia pelo que ouvi no Jornal da Intersom na manhã desta segunda, mas com uma humildade de poucos, este senhor nos deu uma grande lição: tentar e acreditar, parece um chavão velho, mas nos tempos obscuros que vivemos atualmente é dever da imprensa encorajar que mais “Valdenires” surjam e passem a fazer o ENEM e a ter o justo desejo de ingressar numa faculdade e assim concluir o ensino superior. Um pedreiro, um carpinteiro, um marceneiro ou qualquer outra pessoa que tenha uma profissão e que sinta o desejo de buscar novos horizontes precisa manter viva a chama de fazer a prova.

Contudo, vi em alguns comentários nas redes sociais gente dizendo que se “fosse um show, ele chegaria meia hora antes”. Ora senhores, quem são vocês do alto da moralidade para julgar uma pessoa que deve trabalhar bastante durante a semana (assim como vocês) e que por um infortúnio deu o azar de perder a prova? Que mundo é esse? Que solidariedade ainda temos para demonstrar, se é que temos?

Não estou pedindo uma sociedade politicamente correta, mas julgar uma pessoa que sequer conhecemos por um atraso é das missões mais inglórias que um ser humano pode tentar colocar em prática. Fiquei sabendo que em alguns locais existiram torcidas para zombar dos atrasados, numa comprovada face do momento de escárnio social que vivemos em todas as esferas, inclusive a política. O homem  nasceu, talvez, para ser solidário, mas no Brasil de 2017 parece que se tornou regra querer machucar, gozar da punição involuntária que alguém receba ou então olhar para os outros com aquele ar de superioridade.

O Seu Valdenir é só mais um brasileiro que pelas coisas da vida ficou de fora do ENEM nesse domingo que passou, mas seria a maior vitória para a sociedade, se lhe déssemos apoio para que ele não desista. Que pelo menos pensemos positivamente, rezemos, oremos por pessoas como ele que lutam pela vida e que perderam o ENEM  no dia de ontem.

Aos que hoje fazem chacota com o atraso dele e de outras pessoas vale lembrar aquele momento em que você chegou atrasado em algum lugar e ficou com aquela cara de paisagem ou deu uma desculpa esfarrapada para quem lhe esperava. Lembre-se: você não é melhor que ninguém, é apenas mais um, e neste caso, mais um bocó.  

Renato Chimirri/São Carlos em Rede

Deixe uma resposta