SAÚDE | Centro de Combate à COVID-19: conheça a estrutura da unidade

Em aproximadamente 20 dias, toda a estrutura está montada; funcionários do HAC seguem equipando os leitos e camas elétricas começaram a ser instaladas

 

O Hospital Amaral Carvalho (HAC) iniciou no dia 1º de fevereiro a construção do Centro de Combate à COVID-19. O espaço foi instalado na Unidade Ana Maria Ferraz, ao lado da rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, onde funcionava uma concessionária de caminhões. A área foi doada à Fundação Amaral Carvalho em setembro do ano passado.

Ao longo dos últimos 22 dias, equipes ergueram divisórias e montaram duas alas de leitos, reformaram banheiros e salas que serão usadas como posto de enfermagem, farmácia, consultório, sala de triagem, suporte para exames, cozinha, refeitório, entre outros setores. Foram construídas ainda salas de paramentação e desparamentação de funcionários.

As obras foram concentradas em um dos pavilhões, com aproximadamente 2,1 mil metros quadrados, levando em consideração os dois mezaninos que também serão utilizados. A área dos leitos tem cerca de 600 metros quadrados.

“Tivemos que adaptar totalmente o espaço para uma unidade hospitalar com toda área de apoio necessária, conforme as normativas que regem elaboração de projeto para Implantação de Unidade de Saúde Temporária para Assistência Hospitalar”, diz Jéssica Silva, arquiteta do Departamento de Arquitetura e Engenharia do HAC.

O projeto foi elaborado pelo Departamento, com o apoio do consultor Fernando César Dal Picolo da empresa EQM, que já auxiliou na montagem do Hospital de Campanha de Brasília. “Orientei sobre as normas para montagem de uma estrutura como essa, quais setores precisam ter, distância entre leitos, entre outras diretrizes. A partir disso, a equipe do HAC desenhou o projeto e o resultado é muito bom. O sistema de exaustão que foi feito aqui é difícil de fazer e a equipe conseguiu. É algo que faz muita diferença em um hospital para tratamento de COVID-19”, diz Dal Picolo.

O galpão não tinha infraestrutura para ventilação e exigiu atenção com a qualidade do ar que circula entre os leitos. O projeto contou com sistema de exaustão e insuflamento em todos os quartos e aparelhos de ar-condicionado com dupla filtragem para eliminar vírus e bactérias na estrutura. Foi realizada ainda pintura refletiva no telhado, que auxilia na redução da temperatura da unidade em até dez por cento. São 39 leitos, sendo 29 de enfermaria e dez equipados com suporte ventilatório para tratamento semi-intensivo. Todos os leitos têm saídas de oxigênio interligadas ao reservatório, câmeras de monitoramento e luz de emergência.

De acordo com a arquiteta do HAC, Silvia de Antonio, a unidade passa por reformas desde que foi recebida e, por isso, o projeto de implementação do Centro pode ser feito em pouco tempo. “Iniciamos as melhorias na infraestrutura, parte elétrica e segurança do local já no ano passado. Quando veio a necessidade de montar o Centro, as manutenções se intensificaram.”

O responsável pelo departamento de engenharia do HAC, Carlos Zoega Marotti, destaca: “Acredito que o maior desafio seja coordenar todos os serviços. Um depende do outro e todos precisam trabalhar juntos. Isso exigiu atenção. Agora, o projeto está feito, mas é só o início do trabalho. Fornecemos apenas ferramentas.”

Andamento

Nessa segunda-feira (22/fev), foram instaladas as camas elétricas nas unidades de tratamento semi-intensivo. Enquanto isso, funcionários seguem a limpeza e acomodação de móveis e equipamentos do Centro de Combate à COVID-19. Equipes do setor de Tecnologia da Informação (TI) do HAC continuam validando e testando os pontos de rede.

No pavilhão ao lado, estão sendo montados os espaços onde serão as salas do almoxarifado. A previsão é que a unidade seja entregue até o final dessa semana.

A unidade foi proposta pela Superintendência da Instituição e anunciada em 28 de janeiro, com o objetivo de desafogar a Santa Casa de Jaú e os serviços de Saúde da região. As vagas serão preenchidas por pacientes encaminhados pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (CROSS) que desenvolvam sintomas moderados da doença e que devem permanecer internados e em acompanhamento, mas que não precisam permanecer em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Não haverá serviço aberto ao público com sintomas da doença e nem realização de exame para confirmação da COVID-19 no local.

Posso ajudar?

O HAC lançou a página venceremosjuntos.org para informar a população sobre a construção e manutenção do Centro de Combate à COVID-19. A ferramenta disponibiliza ainda dados para depósito, telefone para doação (0800) e possui canal de atendimento para mais informações. O site apresenta números sobre a estrutura, fotos das obras e servirá para prestação de contas dos recursos recebidos.

Além disso, a Fundação Doutor Amaral Carvalho está pedindo o apoio da sociedade nesse importante projeto. Quem quiser colaborar, pode depositar qualquer valor na conta corrente da Fundação:

Banco do Brasil (01)
Agência 3369-3
Conta corrente 5801-7
Favorecida – Fundação Doutor Amaral Carvalho
CNPJ 50.753.755/0001-35
Ou, quem preferir, pode ligar gratuitamente no telefone 0800-778 8008.