SÃO CARLOS | Santa Casa realiza terceira captação de múltiplos órgãos em 2017

A Santa Casa de São Carlos realizou a terceira captação de múltiplos órgãos em 2017. Na manhã dessa quinta-feira, 6 de abril, foram retirados o fígado, rins, córneas e ossos das pernas de uma paciente de 42 anos, que teve morte encefálica atestada na noite de ontem, 5.

Com a solidariedade da família em aceitar a doação, perto de cinco pacientes que aguardam na fila de espera para transplante de órgãos poderão ser beneficiados.

Esta é a segunda oportunidade que ossos das pernas são captados na Santa Casa. O procedimento foi realizado pela equipe do Unioss banco de ossos de Marília (SP) que é o primeiro banco de tecido músculo esquelético do País. Composto por uma equipe médico-odontológica, eles são responsáveis pelo fornecimento de tecidos de mais da metade dos transplantes ósseos do Brasil.

Coma captação realizada em São Carlos inúmeros pacientes que necessitam de transplante de próteses ósseas poderão ser beneficiados.

Equipes de captação Hospital das Clínicas de São Paulo e Ribeirão Preto também estiveram no Centro Cirúrgico da Santa Casa para o procedimento da retirada dos órgãos.

A Mesa Administrativa da Casa solidariza-se com a família, que em um ato nobre realiza um gesto importante que vai possibilitar salvar vidas.

O trabalho

A Comissão de |Captação de Órgãos da Santa Casa de São Carlos já conseguiu realizar desde 2009, doze captações de múltiplos órgãos; só em 2016 foram realizados quatro procedimentos e três em 2017, segundo informações do médico e coordenador da Comissão, Ivan Carlo de Manzano Linjardi.

O médico ressaltou que o hospital está preparado tecnicamente para que as equipes de captação façam os procedimentos cirúrgicos. Entretanto, reforçou o médico: o trabalho da Comissão só teve sucesso nas oportunidades de captação de múltiplos órgãos, ocorridas desde 2012, porque as famílias estão informadas sobre a importância da solidariedade da doação.

Linjardi disse que é importante que a pessoa expresse em vida seu desejo de ser doador de órgãos, para que a família possa juridicamente, efetivar a doação.

Protocolo

O Ministério da Saúde ressalta que hoje, pela legislação brasileira, a retirada de órgãos e tecidos de pessoas com morte encefálica comprovada só pode acontecer após a autorização da família. Por isso, quem tem interesse em doar órgãos deve manter a família avisada, diz o governo.

O passo principal para você se tornar um doador é conversar com a sua família e deixar bem claro o seu desejo. Não é necessário deixar nada por escrito. Porém, os familiares devem se comprometer a autorizar a doação por escrito após a morte.

Deixe uma resposta