SÃO CARLOS | Prefeitura gastou em 4 meses R$ 72,8 milhões do orçamento com Saúde

 

Pagamento de dívidas atrasadas, recontratualização da Santa Casa, reestruturação interna da Secretaria de Saúde, retomada de obras paradas, ampliação dos serviços prestados pelo Hospital Universitário. Essas foram algumas ações realizadas pela Secretaria de Saúde nos primeiros quatro meses de governo. O balanço do quadrimestre foi apresentado numa audiência pública, realizada na semana passada, na Câmara Municipal.

De acordo com os dados da Secretaria de Saúde, o município gastou no primeiro quadrimestre 30,87% do orçamento do período com saúde. As despesas foram de R$ 72,8 milhões, sendo 71% de recursos da Prefeitura (R$ 51,9 milhões), 28% do Ministério da Saúde (R$ 20,3 milhões) e 1% do Governo do Estado (R$ 472,9 mil).

“Estamos tentando organizar todo o caos em que se encontrava a saúde do ponto de vista administrativo, da regulação, da articulação com as unidades base. Para começar, foi necessária a reestruturação interna da Secretaria com a ampliação das supervisões e chefias de seção. Também retomamos as obras que estavam paradas como o do São Rafael e do Santa Angelina. Fizemos o enfrentamento dos médicos RPAs, que nos está causando esse dissabor que é o fechamento das UPAS. Pagamos os médicos plantonistas que estavam atrasados. O que mais nos espanta é que nós, da Secretaria, já gastamos R$ 18 milhões em pagamentos de dívidas deixadas pelo governo anterior. Isso impactou sobremaneira a maioria de nossas ações”, afirmou Caco Colenci, secretário de Saúde.

Um dos avanços na saúde foi o novo contrato com a Santa Casa. A Secretaria de Saúde se comprometeu em fazer o pagamento no prazo estabelecido, depois da aprovação dos serviços pelo Departamento de Regulação, Controle e Avaliação. “Fizemos a recontratualização com a Santa Casa. As demandas, a produção que o Hospital tinha, não era reconhecida. Ao todo foram R$ 18,69 milhões pagos a Santa Casa”, disse Caco.

Em relação à produção, os dados da Secretaria de Saúde apontam que foram feitas 19.830 consultas na UBSs, 22.068 consultas nas USFs, além de 39.827 visitas domiciliares. Na UPA, foram realizados 47.652 consultas de urgência e emergência e 158.231 procedimentos entre eles suturas, inalação, medicação, sondagem. Foram autorizados 21.216 procedimentos de alta complexidade como tomografia, ressonância magnética, quimioterapias e cateterismo cardíaco. Além de 1.263 cirurgias de urgência e emergência.  

Para o secretário de Saúde, em quatro meses muitos problemas foram resolvidos, mas ainda há outros para enfrentar. “Nossa prioridade é a abertura da UPA com a contratação de médico dentro da legalidade. É isso que nosso departamento jurídico está solucionando. Estamos preparando o concurso público, mas ainda precisa efetivamente contratar esses médicos e fazer com que as UPAs abram. Outra coisa importante é o ajuste entre a demanda da população de consultas, exames e cirurgias, e estabelecer as ofertas também da Santa Casa, do HU e com os prestadores de serviço do município e organizar através de protocolos e fluxos toda rede básica da saúde do município”.

Deixe uma resposta