NACIONAL | Projeto de Lobbe Neto sobre educação alimentar nas escolas é aprovado em comissão do Senado

A Comissão de Educação do Senado Federal aprovou nesta semana, o relatório à proposta que inclui, de forma transversal, a educação alimentar e nutricional nos currículos dos ensinos fundamental e médio. O texto segue agora para o Plenário do Senado. A iniciativa consta do Projeto de Lei 128/07, de autoria do deputado Lobbe Neto, do PSDB paulista.

O parlamentar destaca a importância da proposta para controlar o alto índice de doenças como, por exemplo, diabetes, obesidade e hipertensão. “A Comissão de Educação do Senado aprovou esse projeto de minha autoria para a reeducação alimentar. Devemos ter uma prevenção da obesidade para melhorar a saúde do brasileiro, para que possamos apresentar um índice menor de doenças cardiovasculares, diabetes e outras”, afirma.

Lobbe considera que a escola não pode se isentar dessa responsabilidade. Para ele, essa é uma das melhores formas de promover a saúde. “Hoje, muitos alunos estão obesos. E serão adultos obesos. Isso contraria a saúde e precisamos fazer a parte preventiva. Por isso, é importante a educação alimentar”, reiterou.

O senador Pedro Chaves (PRB-MS), relator da proposta na Comissão do Senado, destacou que incluir esses assuntos no ensino formal “é uma forma de garantir conhecimento sobre o tema e reforçar hábitos alimentares saudáveis” nos estudantes. “O acesso das crianças e adolescentes à alimentação não ocorre só no âmbito familiar, mas em muitos espaços sociais, e muitas vezes sem orientação. E, mais que isso, às vezes adultos com hábitos inadequados acabam reforçando o interesse deles nas dietas pouco nutritivas”, alertou.

Segundo o texto do deputado Lobbe Neto, a oferta da disciplina será obrigatória em toda a rede de ensino, pública e privada, de ensino fundamental e médio. Entre os temas que deverão ser abordados nas aulas estão a importância da alimentação balanceada; um estudo sucinto das doenças causadas pela má alimentação; estudo sucinto dos valores nutricionais dos alimentos; malefícios provocados pela má alimentação; noções de armazenamentos dos alimentos; e higiene pessoal.

O PL agora segue para o Plenário do Senado. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade infantil é um dos maiores problemas da Saúde Pública do mundo. Pela projeção do órgão, até o ano de 2025, estima-se que 2,3 bilhões de adultos estarão com sobrepeso, e mais 700 milhões de pessoas obesas, em todo planeta.

Deixe um comentário