OPINIÃO | Mulheres idosas em época de pandemia

Dia Internacional da Mulher  – 8 de março

Esta época de pandemia colocou os idosos no centro das atenções e os preconceitos ressaltaram-se. A Covid escancarou o preconceito etário e as mulheres surgiram vulneráveis, incapazes de exercer o papel relevante nas famílias como sempre fizeram. Os jovens, os filhos e os netos passaram a evitar o convívio com os idosos  por temerem transmitir o vírus, já que a população idosa foi alardeada como um dos principais, senão o principal grupo de risco. E, a partir daí, tornou-se objeto de  “memes”, equívocos e piadas de mau gosto  O bolo da avó,  tão apreciado pelos netos, não era mais objeto de desejo. Começaram a fazer graça da teimosia da avó de ficar em casa, reduzindo-a a mera criança desobediente. Parece que a relação netos-avós se inverteu. O idadismo ganhou ainda mais força, como se a idade fosse o único determinante para o contágio. 

Porém, se de um lado o conceito da idade foi usado para transformar a velhice em sinônimo de fragilidade, de outro os próprios idosos encarregaram-se de provar o contrário, como exemplo de resiliência, tal como a recuperação da cirurgiã Angelita Gama, que depois de 50 dias na UTI devido à Covid, saiu pronta para retomar o trabalho. Isto aos 87 anos de idade! Também são exemplo as cientistas que auxiliaram com suas informações precisas sobre a pandemia e sobre as vacinas, como a dra. Margareth Dalcomo,  reconhecida epidemiologista da Fiocruz, um dos expoentes no atendimento da Covid 19. 

Envelhecer não é para os fracos, mas é uma grande oportunidade para ensinar aos jovens a aprimorar suas capacidades de sentir a vida em sua plenitude e a se prepararem para o envelhecimento, para transmitirem o conhecimento profundo que adquiriram  em suas áreas de  trabalho – economia, educação, medicina, advocacia, etc. Idosos que contribuíram e contribuem ativamente para a sociedade são exemplos e a mensagem que podem passar para os jovens é a de que o melhor que pode acontecer para eles é envelhecer. E quanto mais cedo começarem a se preparar, tanto melhor! 

Vamos nos despir dos preconceitos e aprender com as idosas! Quantas delas, nesta época de pandemia, demonstraram resiliência para se adaptarem ao confinamento, dando exemplo aos mais jovens. Estes, recorreram a psicólogos, devido à ansiedade por não suportarem a distância dos amigos  e parentes e muitas vezes participaram de festas, sem pensarem que poderiam contaminar seus pais e avós. 

Vou dar um depoimento meu e de minhas amigas, todas nós idosas. Embora isoladas em nossas casas, fizemos virtualmente nossas reuniões, que antes eram quinzenais e presenciais, com muita alegria, compartilhando nossas experiências de leituras, contatos com os netos por chamadas de vídeo, troca de receitas. Algumas de nós fizemos aulas de pilates online, intercâmbios de conhecimentos transcendentes e também participamos de lives. Essa fase tem sido uma época em que pudemos nos aproximar de nossos companheiros, familiares e amigos e também valorizar as nossas casas, além de desenvolvermos a solidariedade de uma maneira geral, ampliando a nossa vida na vida dos demais.

Não tem sido uma época para esquecer, mas para ter gratidão pela vida, registrar nas nossas memórias tudo o que vivemos, e poder transmitir para as gerações futuras o nosso exemplo de viver em permanente juventude, como nos ensina o pensador argentino, Carlos Bernardo González Pecotche:  “Interessar-se por novos motivos ajuda a viver em permanente juventude. Sejamos como os rios, que renovam constantemente suas águas”. 

Sandra Márcia Lins de Albuquerque (Especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia) [email protected]