POLÍTICA | Massafera pede que DER contribua com a manutenção das vicinais

O deputado estadual Roberto Massafera está defendendo junto ao governo do Estado de São Paulo uma proposta em que o DER (Departamento Estadual de Estradas de Rodagem) participe da manutenção e conservação das rodovias vicinais. O DER entra com a massa asfáltica e o município com o serviço.

Na terça-feira (21), Massafera apresentou a proposta ao governador Geraldo Alckmin que mostrou-se simpático ao projeto. Ele será detalhado após o carnaval com a nomeação do novo secretário estadual dos Transportes. O cargo é exercido interinamente por Alberto José Macedo desde a saída de Duarte Nogueira eleito prefeito de Ribeirão Preto.

Na quinta-feira (23), a pedido do deputado Roberto Massafera, prefeitos da região reuniram-se com o diretor do DER de Araraquara, Marcos Antônio Montonelli. Também participou a diretora regional de Desenvolvimento Social (DRADS), Edna Martins; acompanhada dos prefeitos Bento Luchetti (Santa Ernestina); Dirceu Pano (Américo Brasiliense); Eduardo Martinez (Tabatinga); Fernando Catelani (Rincão); Francisco Mançano (Guariba); João Paulo Bicudo (Monte Alto); e Ricardo Fascinelli (Motuca). O objetivo é mobilizar as forças políticas regionais pela viabilidade da proposta.

Durante seu primeiro mandato na Assembleia Legislativa, Roberto Massafera conseguiu o recapeamento da maioria das vicinais da região dentro do programa Pró-Vicinais do então governador José Serra (2006 a 2011). As vicinais são de responsabilidade dos municípios, mas o alto custo do recapeamento, cerca de R$ 750 mil por km de pista simples, inviabiliza o serviço para a grande maioria das cidades paulistas.

A proposta de Massafera estabelece convênios entre as Prefeituras e o DER para que o Estado possa fornecer a massa asfáltica e os municípios contratarem a manutenção de suas vicinais. O governador Geraldo Alckmin afirmou ao parlamentar que a ideia poderá ser ampliada às demais regionais do DER e chegar a todos os municípios paulistas.

O diretor do DER de Araraquara estima que uma conservação especial custaria em média R$ 50 mil por km, o que é significativamente mais barato do que o recapeamento. Esta estimativa incluiria tapa buraco, compactação, drenagem, construção de canaletas, nova sinalização vertical e horizontal e outras melhorias que tornariam a rodovia segura e confortável para os usuários.

Deixe uma resposta